Riscos de não se tratar espondilite

alt=
Riscos de não se tratar espondilite

Riscos de não se tratar espondilite – Por muitos momentos quando em crise pensei em abandonar o tratamento e me entregar a espondilite, pensando “seja feito a vossa vontade” porém infelizmente “não funciona assim” e o que poderia ocorrer se nos entregássemos a doença? Encontrei essa matéria muito amedrontadora porém esclarecedora, a fonte está no final.

Riscos de não se tratar espondilite

Riscos de não se tratar espondilite: Enquanto algumas pessoas têm dor nas costas leve, ocasional e rigidez, outros desenvolvem problemas de mobilidade severa que afetam sua amplitude de movimento e capacidade de executar mesmo a tarefa mais simples, como amarrar seus sapatos, assim são os danos causados pela espondilite anquilosante  (EA). O diagnóstico e tratamento precoce podem ajudar a reduzir sintomas e complicações a longo prazo, mas se não forem tratados, os pacientes podem progredir para as seguintes condições:

Mobilidade limitada e deformidade espinhal

Como causas da inflamação na coluna, e se esta inflamação não for tratada, as vértebras na coluna vertebral podem se fundir, afetando a mobilidade e aparência de uma pessoa (coluna em bambu). Dependendo de onde a coluna se fundir e quão grave é, poderia resultar em uma curva para trás ou corcunda ou pior, a incapacidade de levantar o pescoço. Em casos graves, as vértebras no pescoço podem se fundir, levando a dificuldade em levantar a cabeça, comer ou mesmo respirar. Quando isso ocorre, a cirurgia da coluna vertebral complexa pode ser necessária.

Restrições da capacidade pulmonar e função

Inflamação da EA pode se espalhar para as costelas e as áreas entre as costelas, coluna e esterno; Isso impede que os pulmões se expandam completamente, causando problemas respiratórios. A inflamação crônica também pode cicatrizar tecido pulmonar, tornando as pessoas com EA mais vulneráveis a infecções pulmonares e restringindo a expansibilidade.

Osteoporose e Fraturas da Coluna

Quando vertebras da coluna vertebral se fundem, como é o caso com a EA mais avançada, os ossos se tornam mais fracos e mais suscetíveis a fraturas. Além disso, cerca de 50% das pessoas com EA desenvolve osteoporose, que também pode aumentar o risco de fraturas da coluna vertebral. Eu digo a todos os meus pacientes que eles devem fazer teste de densidade mineral óssea (densintometria) no início da doença e periodicamente conforme a necessidade de acompanhar.

Inflamação ocular e cegueira

Uveíte, ou inflamação ocular, é um problema que afeta cerca de 40% das pessoas com EA. Os sintomas incluem sensibilidade à luz, vermelhidão, lacrimejamento e visão embaçada. Colirios e medicação podem cuidar dos sintomas, mas se não for tratada, a uveíte pode levar à redução da visão.

Questões gastrointestinais

Além dos olhos, a inflamação causada pela EA pode se espalhar para outros órgãos e tecidos, como os intestinos. Esta inflamação pode levar à doença inflamatória intestinal (DII), como a doença de Crohn ou colite ulcerativa. EA também pode causar problemas gastrointestinais mais gerais, incluindo dor abdominal, inchaço, gases, diarréia ou sangue nas fezes.

Dor nas articulações severa e substituição da articulação

EA pode causar inflamação nas articulações do joelho, quadril ou ombro. A inflamação crônica dessas articulações pode levar a dor intensa e danos à saúde das articulações. Nos casos de dano agudo e comprometimento destas articulações, os pacientes podem necessitar de cirurgia de substituição da articulação para substituir completamente a articulação doente.

Complicações raras mas sérias

A longo prazo, avançados e graves casos de EA pode resultar em amiloidose (o acúmulo de proteínas anormais no intestino, rins e outros órgãos). Esta condição, em casos muito raros, podem levar à disfunção de órgãos com risco à vida.

Fonte: HealthBlog

Comentários

Comentários

Sejam bem vindos!