Risco de desemprego 3 vezes maior nas espondiloartrites

alt=

Risco de desemprego 3 vezes maior nas espondiloartritesO risco de desemprego é três vezes maior para pacientes com espondiloartrite axial indica estudo europeu 

Risco de desemprego 3 vezes maior nas espondiloartrites

O risco de desemprego três vezes maior para pacientes com espondiloartrite axial (dentre elas a principal é a espondilite anquilosante), mais de que 86 por cento daqueles que estão desempregados admitem dificuldades para conseguir um emprego por causa de sua doença.

Estas são as principais conclusões do relatório ‘Atlas de Espondiloatritis Axial na Espanha 2017’ promovido pelo Coordenador espanhol das Associações de espondiloartrite (CEADE), e conduzido pelo Grupo de Saúde & Territory Research (HTR) na Universidade de Sevilha e do Instituto Max Weber, com a colaboração da Sociedade Espanhola de Reumatologia (SER – Grupo GRESSER-) e Novartis

alt="Risco de desemprego 3 vezes maior nas espondiloartrites"
Risco de desemprego 3 vezes maior nas espondiloartrites

As espondiloatritis axiais (SpA-AX) é um grupo de doenças inflamatórias crónica que afeta várias áreas do corpo, produzindo um dano irreversível estrutural para a coluna e é responsável por dor, fadiga crónica e causa deficiências em quem as têm. É uma doença incapacitante, que produz altos índices de incapacidade permanente e para os quais a grande maioria dos pacientes tem dificuldade em acessar ou permanecer em um emprego.

Do total de pacientes pesquisados, 13,9% estavam desempregados, 10,5% aposentados, 9,3% com licença permanente, 7,3% com licença médica temporária. Cem por cento dedicados ao trabalho doméstico, 1,6 por cento em aposentadoria antecipada.

A maioria dos trabalhadores (49,2%) possui uma ocupação de nível médio na Administração, no setor de restauração, segurança ou comércio, ou como pessoal qualificado na agricultura, pesca, indústria e construção; 39,8% pertencem a uma ocupação de alto nível, em administração e gestão, em profissões associadas a diploma universitário, técnicos e profissionais; e 11% são instaladores ou operadores de máquinas e pessoal não qualificado.

Por outro lado, nestes pacientes uma alta afastamento é observado, variando o número de dias de trabalho perdidos entre 8 e 46, em média, o que representa uma taxa de afastamento em média três vezes mais elevada do que na população em geral da Espanha Assim, mais da metade dos pacientes que trabalham (53,3%) relataram ter tido algum tipo de afastamento no trabalho nos últimos 12 meses em decorrência da doença.

12,4% pediram dias de afastamento ou licença, 35,2% passaram em média por 29,4 dias e 13,1% tiveram que reduzir seu dia de trabalho em 15,9 horas por semana durante 10,3 dias, em média. Além disso, 61,5% perderam o trabalho em algum momento apenas para ir ao consultório médico, 59,6% achavam difícil cumprir as suas horas de trabalho, 21,1% afirmaram que sua vida profissional era pesada, 16,5% tiveram que mudar seu turno de trabalho e 9,2% tiveram que mudar de emprego.

Licença médica 

Dos pacientes que estavam em licença médica temporária no momento da pesquisa, 87,8% disseram que estava relacionado ao SpA-ax. O número médio de meses de licença médica temporária foi de 7 meses. Dos que indicaram licença permanente médica ou aposentadoria precoce, 87,3% disseram que sua situação era resultado da doença. 30,8% receberam um benefício por invalidez permanente parcial (revisável ou não), enquanto que 44,2% tiveram um benefício de incapacidade permanente absoluta.

Entre os pacientes que estavam desempregados no momento da pesquisa, 61,3 por cento disseram que tiveram que parar de trabalhar ou que perderam seus empregos por causa da SpA-ax. Também os empregados, 31,9% afirmaram que a escolha da profissão foi influenciado de alguma maneira pela doença.

Fonte: InfoSaude

Comentários

Comentários

Sejam bem vindos!