sábado, dezembro 16, 2017
Home Atualidades Relação Espondilite Anquilosante e Fadiga

Relação Espondilite Anquilosante e Fadiga

0
679

Relação Espondilite Anquilosante e Fadiga, o porquê da fadiga na Espondilite 

A Relação Espondilite Anquilosante e Fadiga, a fadiga pode ser um sintoma debilitante da espondilite anquilosante. Pacientes e especialistas da vida real descrevem o que é viver com fadiga – e oferecem dicas para aumentar a energia.

Quando você tem espondilite anquilosante, a fadiga pode ser esmagadora. A fadiga da espondilite anquilosante é mais do que simplesmente estar cansada, diz Anca Askanase, MD, MPH,  reumatologista da Columbia Doctors em Nova York e fundador e diretor dos ensaios clínicos de reumatologia do Centro Médico da Universidade de Columbia. “Você está cansado desproporcionalmente em relação ao que você fez”, explica ela.

Mais de 70% das pessoas com espondilite anquilosante relatam sofrer fadiga, de acordo com os resultados de um estudo publicado em Reumatologia Clínica em março de 2015.

Uma série de fatores podem contribuir para essa fadiga, incluindo:

  • Inflamação: quando seu corpo está inflamado, tem que gastar mais energia para combater essa inflamação crônica, de acordo com a Associação de Espondilite Anquilosante Americana.
  • Dor e rigidez: ambos os sintomas comuns da espondilite anquilosante, dor e rigidez podem dificultar a qualidade do sono.
  • Deformidades da coluna: “Quando a coluna vertebral está deformada, seus músculos têm que trabalhar muito mais para manter-se retos e alinhados”, diz Rajesh G. Arakal, MD, cirurgião da coluna no Texas Back Institute. “Isso pode te cansar excessivamente”.

Relação Espondilite Anquilosante e Fadiga. Como é ter fadiga? 

Veja como algumas pessoas com espondilite anquilosante descrevem sua fadiga:

  • “É como se tivesse drenado sua energia”, diz Steven Newman, 31, de Cleveland, Ohio, que começou a experimentar sintomas da EA quando tinha 15 anos, mas não foi diagnosticado até três anos atrás. A dor e a fadiga são “crônicas, é diariamente, e é incessante”, diz ele. “É o suficiente para deixá-lo louco.” Newman diz que ele deve se forçar a levantar e fazer as coisas que ele tem a fazer.
  • Regan Brown Reynolds, de 36 anos, de Raleigh, Carolina do Norte, foi diagnosticado em 2002. “Você sente que está se arrastando o tempo todo”, diz ela. “Como se você deve se uma gripe permanentemente”. A fadiga às vezes dificulta-se motivar, acrescenta.
  • “Nos dias ruins, a fadiga é muito mais do que alguém que minha idade deveria ter”, diz Rupali Soeters, de 37 anos, PhD, fisioterapeuta do Hospital for Special Surgery da cidade de Nova York que também possui espondilite anquilosante . Soeters foi diagnosticado àos 19 anos.
  • “Eu sinto como se tivesse feito quatro ou cinco horas de trabalho direto, duro e extenuante”, diz Donald Bredlow, 62, do condado de York, na Pensilvânia. Bredlow começou a mostrar sintomas de espondilite anquilosante quando ele estava no final da adolescência, mas não foi diagnosticado até ele ter 31 anos.

Dicas de vida real para combater a fadiga da espondilite anquilosante

Veja como os profissionais de saúde e as pessoas que vivem com espondilite anquilosante recomendam lidar com a fadiga:

Tenha um horário regular de sono. A Sociedade Nacional de Espondilite Anquilosante diz que estabelecer uma rotina na hora de dormir pode ajudá-lo a ter uma boa noite de sono. “Tenho estar na cama às 11 horas e levantar-me as 5 da manhã todos os dias”, diz Reynolds, que está ajudando a escrever o guia de espondilite anquilosante da sociedade de artrite, Raising the Voice of Patients: Guia do paciente para viver com espondilite anquilosante. Reynolds diz que pode ser até seis horas de sono por noite, desde que seja um sono de qualidade. Aderir a um horário de sono ajuda você a configurar seu relógio biológico e torna mais fácil adormecer e acordar tendo dormido bem, de acordo com a Harvard Medical School. Outra dica de sono: Evite a cafeína muito perto da hora de dormir, pois pode mantê-lo acordado,

Exercício. Pode parecer contra-intuitivo, mas quanto mais treina, melhor você sentirá, de acordo com o departamento de medicina e ortopédica da Universidade de Washington. Como fisioterapeuta e uma paciente com espondilite anquilosante, Soeters pode atestar isso. Ela acredita que ela se sente “normal novamente” fazendo atividades físicas por uma hora três vezes por semana. Trabalhar em um grupo também ajuda a distraí-la de dor e fadiga, ela diz.

Coma direito. Soeters recomenda trabalhar com um nutricionista para elaborar uma dieta antiinflamatoria. “Para mim”, diz ela, “isso é comer muitas proteínas e evitar açúcar”. Ela também recomenda encontrar e manter seu peso ideal. “Qualquer peso adicional na coluna vertebral está aumentando sua fadiga”, diz Soeters.

Também é importante se hidratar. Newman diz que estar hidratado ajuda a combater sua fadiga. “Eu bebo em torno de 2l de líquido por dia”, diz ele. Os fluidos ajudam a eliminar as toxinas do seu corpo, o que pode ajudar a combater a inflamação, de acordo com a Fundação Arthritis. Os fluidos também ajudam a manter as juntas lubrificadas e em movimento.

Veja também: Consenso sobre atividade física e espondilite 

Manter uma boa postura. Isto é importante se você está parado ou sentado, diz Randall Pifer, PT, DPT, fisioterapeuta no Hospital for Special Surgery. Quando você tem uma má  postura, você está lutando contra si mesmo e precisa gastar mais energia, ele diz. Faça uma avaliação ergonômica para garantir que sua mesa, cadeira e tela do computador estejam na altura adequada para você se sentar em linha reta. Além disso, evite usar travesseiros altos quando você dorme: “Você deve usar apenas o suficiente para manter seu pescoço em uma posição neutra”, diz Pifer, acrescentando que você pode precisar consultar um fisioterapeuta sobre a melhor posição para dormir. Em geral, Ele observa que quanto mais você praticar bons hábitos, melhor será se a espondilite anquilosante progredir. “Você pode melhorar sua força”.

Fale com o seu médico. Se você está tendo fadiga extrema, trabalhe com seu médico para encontrar estratégias que possam ajudar. Ele ou ela pode recomendar mudanças em sua gestão ou plano de tratamento. O seu médico também pode ajudar a identificar quaisquer condições subjacentes que possam contribuir para a sua fadiga, como a anemia

Fonte: Every Day Health 

Sejam bem vindos!

%d blogueiros gostam disto: