Os efeitos colaterais da dor crônica que ninguém fala sobre

0
342

É normal falar sobre os efeitos colaterais que todos podem sentir, mas e os efeitos colaterais que não são vistos? Os que ninguém ousam perguntar porque têm medo da resposta (e, em seguida, desejam que não tenham feito a pergunta).

A dor crônica é uma condição invisível e isso significa efeitos colaterais ocultos.

Em primeiro lugar, e às vezes, obviamente, é ganho de peso e/ou perda. Eu não conheci ou falei com uma única pessoa com uma doença crônica que esteja feliz com seu peso. Poucas pessoas estão realmente felizes com seu peso, mas usar todos esses medicamentos apenas para poder sobreviver um dia leva a um pedágio problemas com seu peso. Seja esteróides, drogas para dor nervosa ou mesmo opióides, o uso prolongado pode ter um grande efeito. Mas por causa de nossa doença, o exercício pode quase não existir, como vamos encarar isso, se você quase aguenta sair da cama pela manhã, basicamente a manhã é como se simplesmente tivesse escalado no dia anterior o Everest. É uma batalha constante com as medicações e exercício.

Humor. O desequilíbrio de humor são uma constante para qualquer ser humano, é o que fazemos como seres humanos, mas se adicionarmos dor e medicação com grandes efeitos colaterais, é como uma bomba relógio perdemos nosso humor muda repentinamente sem motivo aparente. Certos medicamentos pode causar raiva às vezes, e uma perda do controle de seu humor é assustador. Você quase pode ver isso acontecer – esta mudança dentro de você em um clique e boom! Mas no próximo suspiro, você pode estar tão feliz, quase delirante, você esquece o péssimo estado de espírito, até que muda novamente num “clique”.

Paciência. Dado que a maior parte do seu tempo é gasto esperando por médicos, cirurgiões e todos o procedimentos, você pensaria que a paciência seria um dom. Não. Agora tenho menos paciência do que nunca, mas não em tudo o que faço. Eu tenho menos paciência para expor minha condição, sendo francamente as vezes grosseiro. O estresse é um dos principais fatores desencadeantes da dor em nosso corpo, eu tento evitá-lo a todo custo – o que em si pode ser estressante. Claro que nem sempre funciona, e eu vou me preocupar, o que então causa um choque maciço, mas estou aprendendo a lidar com as coisas muito melhor hoje. Mas se tivéssemos um pouco mais de paciência com alguém que conhecemos que tem uma doença crônica, o benefício seria infinitamente melhor do que qualquer presente.

Saúde Mental. Claro, este é um grande efeito colateral e um que é muito facilmente escondido. Esteja atento ao fato de que essa pessoa passou da saúde para um estado crônico. Não é um processo fácil, nunca será, você se aflige todos os dias pela pessoa que você já foi, e como você lida com o fato de que esse eu se foi, e provavelmente para sempre? Não é de admirar que a depressão é um efeito colateral importante? A ansiedade também está presente, porque não sabemos como lidar com essa “nova” vida é um território extremamente novo e aterrorizante. Não é de admirar que as pessoas possam estar ansiosas?

Estilo de vida . O que foi uma vez, talvez uma vida despreocupada, onde você fazia o que queria, agora resultou em uma rotina cuidadosamente gerenciada, e é um choque para seu sistema. Imagine ter uma carreira bem sucedida e uma vida feliz/confortável e, de repente, você se torna cronicamente doente, incapaz de trabalhar ou prover sua família, muito menos ficar sozinho. Não é possível funcionar sem ajuda, ou fazer as coisas que você costumava fazer. Tudo isso em um piscar de olhos. O estilo de vida que você já teve foi trocado por algo que você luta para controlar, e muito menos para se acostumar.

Pele/cabelo, etc.  Agora, claro, você pode ver a pele (nem toda a pele, é claro) e os cabelos, unhas, etc., mas através de medicação, cansaço e outros fatores, nossa pele e cabelo também podem ter uma grande perda. Minha pele mudou de relativamente normal para extremamente sensível. Meu rosto agora está cheio de manchas, que vêm por algumas semanas de, depois desaparecem, depois voltam e nunca será como antes. As reações aos medicamentos podem causar problemas de pele terríveis. O cabelo também pode cair a uma taxa mais rápida do que nasce e cresce.

Intimidade . Nem tudo se resume a sexo se você estiver em um relacionamento. Há, naturalmente, muitas outras maneiras de ser afetuoso e amoroso com seu parceiro. Mas e se fazer sexo é doloroso e te machuca – isso deveria te impedir de ter relações sexuais novamente? As pessoas que sofrem com dor/doença crônica nunca mais fazem sexo novamente? Acho que não; Só porque estamos com dor não significa que não temos as mesmas necessidades que qualquer outra pessoa. É tudo sobre a adaptação e a descoberta do que funciona e o que não agrava os níveis de dor. Apenas divirta-se experimentando!

Finanças. Estou quebrada(o), todo o tempo. Os medicamentos sem fim, as loções e poções, tratamentos, viagens para os tratamentos, tudo se resume ao tratamento. E se você não pode trabalhar, é ainda mais difícil. É muito difícil admitir que eu preciso de ajuda financeiramente. Não gosto de pedir a ninguém dinheiro ou ajuda, mas é algo que eu preciso trabalhar – meu próprio orgulho. Preocupar-se com o dinheiro só aumenta o estresse, e o estresse torna as coisas mais difíceis.

Há tantos efeitos colaterais – efeitos colaterais que parecem ser tabu. Mas por que? Nenhum dos pontos acima deve ser escondido ou não falado! Para aqueles que têm um ser amado com uma doença crônica, tudo o que é preciso é um ouvido amigável e de apoio para estar lá para essa pessoa, e tem algum grau de compreensão do que essa pessoa tem que lidar.

Relacionamentos. Eu sempre fui muito romântico e tive uma auto-estima muito baixa, estou há 17 anos sozinho preso numa paixão a qual perdi o controle, mas um amor não correspondido, nos primeiros 7 anos dessa utopia amorosa tive alguns momentos com alguém, mas era apenas momentos desesperados tentando esquecer o passado, após o diagnóstico, há 10 anos não tive sequer um momento afetivo/amoroso, primeiro por achar que não sou suficiente para fazer alguém feliz e depois por achar ainda que posso me agarrar num fio de esperança, vivenciar o meu único e eterno amor, provavelmente se tivesse uma melhor auto-estima poderia vivenciar novas experiências e momentos agradáveis e possivelmente superar esse trauma e fortaleceria minha luta contra minha condição crônica.

Esta matéria baseada em Chronically Composed: A Scottish Journey With Chronic Pain. (Muito desse texto é vivência própria, outra parte é baseada na matéria original)

Sejam bem vindos!