O que pode acontecer em momentos dolorosos

Alguma vez você já ficou olhando para o “nada”? Olhando e pensando profundamente sobre o seu futuro. Apenas olhando para o vazio, com pensamentos aleatórios flutuando ocasionalmente. Mas nada coerente. E definitivamente nada alegre.

“A dor deixa seu cérebro em “stanb-by”. A doença torna-se demasiada pesada para continuar lutando.”

Cansaço. É por isso que meu cérebro desligou. Combater a dor é difícil. E aqueles de nós na dor diária nunca conseguem descansar. A luta constante de tentar manter-se fisicamente no controle da dor está drenando suas energias. Adicione a isso as exigências diárias de manter seu lar e criar filhos e você tem a tempestade perfeita para a fadiga extrema. É extrema a frustração. E nós chegamos ao “fundo do poço”. E quando nossos cérebros se cansam de lutar contra a nossa doença, podemos não nos importar mais com “coisas sutis”.

Tristeza. Está emocionalmente acabado. É extremamente difícil lidar com uma doença todos os dias e, ainda ser capaz de lidar com todos hábitos comuns a vida cotidiana. E ainda quando seu cônjuge não dá apoio. Nem sempre a vida a dois é feita de rosas e chocolate. E para ser honesto, nem sempre temos a força para lidar com qualquer discórdia, se é sobre um jantar queimado ou a partida de futebol que seu time ou o dele perdeu. Acaba numa poça de lágrimas. (E se é sobre as crianças!) A dor torna tudo pessoal e muito mais intenso. Assim, as pequenas coisas se tornam enormes.

Depressão. É difícil permanecer positivo(a) e aceitar uma doença que causa tanta dor, fraqueza, degeneração, perda, esquecimento, incerteza … Poderia continuar, mas você entendeu. Obviamente, aceitamos nossa nova condição, não por opção mas por impossibilidade de recusar. Nunca teríamos saído da cama do contrário. Mas essas doenças são progressivas e mudam constantemente ao longo do tempo. Portanto, temos de reajustar constantemente a nossa mentalidade. E vamos ser honestos, ela torna parte de quem somos. Não podemos viver num mundo “cor de rosa” ignorando-a.

Desistir jamais. Sabemos muito sobre nossa condição. Sabemos o que as lesões nas costas significam. Sabemos quais são as probabilidades futuras a progressão da doença e o tratamento da dor. E nós preocupamos sobre onde iremos acabar quando não podemos cuidar de nós e quem vai cuidar. Nos preocupamos com isso quando estamos cansados, machucados, ou sozinhos. E em muitos momentos estaremos sozinhos, estamos com medo demasiadamente. Não falamos sobre isso, mas pensamos sobre isso, e honestamente, de certa forma, desistir parece equivalente a estar livres da dor novamente, mas infelizmente essa não é uma opção e não resolverá, não acabará nossas dores apenas vai piorar.

Quando seu cérebro fica assim, o que pode ajudar é desviar o pensamento. Assista a um bom filme, encontre algo que goste de fazer para se distrair. Esses dias de “maus pensamentos” não duram para sempre.

Adaptação: TheMigty

Sejam bem vindos!