Morre paciente com espondilite grave

Morre paciente com espondilite graveMorre Cássio, paciente com espondilite que havia comemorado ao voltar ver o céu, após cirurgias para corrigir sua postura 

Morre paciente com espondilite grave

Morre paciente com espondilite grave: Nos últimos sete anos, o pintor Cássio Ribeiro Alves, de 47 anos, conviveu com os dolorosos avanços de uma espondilite que o deixava numa complicada e permanente situação. Com a coluna enrijecida, sua cabeça curvou-se tanto que o nariz tocava a barriga. Neste período passou ter de beber água de canudo, dormir sentado e sentia falta de algo muito simples: olhar para o alto e ver o céu.

alt="Paciente com espondilite volta ver o céu"

Após procurar muitos tratamentos, a família conseguiu uma vaga no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), em Goiânia. Após duas cirurgias bem sucedidas, Cássio pôde, enfim, na última quinta-feira (17), ver as nuvens e se emocionou.alt="Morre paciente com espondilite grave"

Depois de realizar o sonho de rever o céu após sete anos sem conseguir levantar a cabeça, o pintor Cássio Ribeiro Alves, de 47 anos, faleceu. Ele tinha uma doença rara na coluna (espondilite anquilosante) que fazia com que a cabeça dele se curvasse a ponto do nariz tocar a barriga. Filha de Cássio, a atendente desempregada Francielly Pereira Alves, 25, que sempre acompanhou o pai no hospital, está com sentimento de “missão cumprida”.

“É muito complicado, mas no meu coração estou com sentimento de missão cumprida. Eu cuidei dele até o final. A saudade é demais, mas eu sei que ele foi amparado durante todo o tempo por uma equipe de médicos maravilhosa, que cuidou muito bem dele e fez tudo que foi possível”, disse.

Cássio esteve internado e fazendo tratamento nos últimos três meses no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), em Goiânia. Na última quinta-feira (7), ele faleceu na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do local.

Segundo Francielly, o pai fez um procedimento cirúrgico chamado debridamento, para remoção de tecidos, na terça-feira (5). Depois disso, ele sofreu uma parada cardiorrespiratória. Mesmo os médicos tendo conseguido reanimá-lo, ele não conseguiu se recuperar.

“Os médicos reanimaram ele, mas ele não voltou mais. Ele ficou inconsciente. Ele já tinha complicações, um quadro infeccioso, muitas coisas acontecendo com ele, então, ele não resistiu”, disse.

Fonte: G1

Comentários

Comentários

Sejam bem vindos!