Mitos e Fatos sobre Espondilite Anquilosante

0
615
Interrogação
Mitos e fatos

Você pode separar a realidade da ficção quando se trata de  espondilite anquilosante? Saiba aqui a verdade

Dúvidas

A espondilite anquilosante  (EA), pode causar dor e rigidez grave, pode ser gerida com êxito, mas mitos sobre a condição ainda persistem – e eles podem estar impedindo você de obter o tratamento necessário.

Algumas pessoas pensam que a EA é rara, mas não é. A EA é a espondilartrite mais comum, espondilartrite é um grupo que difere de outros tipos de artrite por causa dos sintomas que ocorrem nos locais onde ligamentos e tendões se ligam ao osso (entesite), segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia a EA está presente em pouco mais de 1% da população.

Geralmente afeta as articulações da coluna vertebral, mas também pode afetar os quadris, joelhos e até mesmo órgãos como a aorta (principal artéria do corpo) e os olhos. O tratamento pode incluir medicamentos anti-inflamatórios, medicamentos biológicos, tais como inibidores do fator de necrose tumoral, corticosteróides, ou cirurgia, de acordo com a Arthritis Foundation (AF).

Os médicos não sabem o que desencadeia a EA,  ela é mais comum se desenvolver entre os 17 e 45 e é mais comum em homens, mas acreditam que tem um marcador genético chamado HLA-B27 coloca algumas pessoas com maior risco para a doença, assim como infecções gastrointestinais e um histórico familiar da doença, sugere a SBR.

A seguir fatos e mitos sobre EA

Fato: O diagnóstico precoce da EA é importante.

As pessoas que recebem tratamento nos primeiros dois anos de início são mais propensos a ter um resultado melhor e alcançar a remissão antes do que aqueles que têm um diagnóstico tardio. Quando os pesquisadores analisaram dados de 105 pessoas com espondiloartrite, aqueles que tinham atraso no diagnóstico e tratamento apresentaram sintomas piores, teve mais problemas com a mobilidade da coluna vertebral, teve mais danos, e não respondeu bem ao tratamento, de acordo com um estudo publicado em agosto de 2015, a revista Clinical Rheumatology .

Mito: As pessoas com EA  terá  uma deformidade.

Apesar de fusão espinhal ser comum, ela só acontecerá em casos graves. “Deformidade não é iinevitável”mas com tratamento adequado  e estilo de vida saudável, como fazer exercícios, alongamentos pode diminuir essa possibilidade.

Fato: O especialista para o tratamento de EA é o reumatologista.

Reumatologistas especializam no diagnóstico e tratamento de doenças relacionadas com as articulações, tendões, ligamentos, tecido conjuntivo, ossos e músculos.

Mito: Se você tiver EA, você provavelmente vai precisar de cirurgia.

Cirurgia raramente é necessária na EA. Em casos graves, a substituição da articulação nos joelhos ou quadris.

Fato: tratamento de base para EA é semelhante à de outras condições inflamatórias.

Os tratamentos típicos para EA incluem analgésicos, medicamentos anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), injeções de corticosteróides e drogas modificadoras da doença anti-reumáticas (DMARDs), incluindo medicamentos biológicos, de acordo com o AF.

Mito: O exercício vai piorar seu estado

“Às vezes as pessoas têm a idéia errada de que o exercício vai piorar a EA”,  mas isso não é verdade. Na verdade, as pessoas com espondilite  tendem a se sentir melhor após o exercício, diz o SAA (Associação Americana de Espondilite Anquilosante). Exercício pode ajudar a mantê-lo flexível, melhorar a postura, e pode diminuir a dor, é recomendado a inclusão de exercícios diários em cada plano de tratamento para EA. Os pesquisadores que revisaram seis estudos envolvendo 1.098 pessoas com EA descobriram que as pessoas que se exercitaram em casa parecia ter menos dor e depressão e tinha melhor qualidade de vida do que aqueles que não o fez. As suas conclusões foram publicadas em Outubro de 2015, a revista Clinical Rheumatology .

Fato: Fusão espinhal na Espondilite  não é reversível.

Pessoas com EA  tendem a ter inflamação onde os ligamentos anexar ao osso (entesite). Uma das consequências é que pode haver formação de cicatrizes do tecido, quando o corpo cura da inflamação, o que pode resultar na formação de osso extra. Com o tempo, os ligamentos podem se tornar ósseo e se fundem na coluna vertebral, forçando as pessoas ter uma posição inclinada. Este tipo de dano não é reversível. No entanto, tratamentos com drogas pode ser capaz de evitar a fusão da coluna vertebral de progredir, de acordo com o National Institute of Arthritis e músculo-esquelético.

Mito: EA tem cura

Não há cura para espondilite no momento, mas o tratamento precoce com uma combinação de AINEs e medicamentos biológicos é a melhor maneira de alcançar a remissão. “A palavra ‘cura’ pode ser enganadora uma vez que implica um estado livre de drogas e sem possibilidade de uma crise, o que raramente é alcançada”,. Mas isso não significa que você não pode viver bem (SBR).

Mito: Doenças Reumáticas só acomete idosos

Os médicos não sabem o que desencadeia a EA,  ela é mais comum se desenvolver entre os 17 e 45 e é mais comum em homens, mas acreditam que tem um marcador genético chamado HLA-B27 coloca algumas pessoas com maior risco para a doença, assim como infecções gastrointestinais e um histórico familiar da doença, sugere a SBR.

Sejam bem vindos!