Condições que impedem de serem doadores de sangue, medula e órgãos

0
1528

Doenças que impedem a doação de medula óssea, impossibilitando que a pessoa se torne um doador cadastrado ou ocasionando o cancelamento do cadastro no REDOME.

AIDS / HIV
-Pessoas diagnosticadas com HIV (AIDS) não poderão realizar o cadastro no REDOME

HEPATITE
O cadastro será permitido nos seguintes casos:
– Vacinação para prevenção de Hepatite
– Histórico de tratamento completo de Hepatite A

Não será permitido o cadastro em casos de:
– Diagnóstico das Hepatites B e C
– Portadores do vírus das Hepatites B e C (conhecido como infecção crônica)

CÂNCER
– Histórico de lesões pré-cancerosas
– Câncer de pele localizado (células basais ou células escamosas)
– Melanoma in situ curado
– Câncer cervical in situ curado
– Câncer de mama curado
– Câncer de bexiga curado

DOENÇAS AUTOIMUNES

O cadastro será permitido nos seguintes casos:
– Tireóide de Hashimoto e Doença de Grave tratadas com sucesso e situação clínica estável

Não será permitido o cadastro em casos de:
– Artrite Reumatóide
– Lupus
– Fibromialgia
– Esclerose Múltipla
– Psoriase
– Vitiligo
– Síndrome de Guillain-Barre
– Púrpura
– Síndrome Antifosfolipidica
– Sindrome de Sjogren
– Doença de Crohn
– Espondilite Anquilosante

EPILEPSIA
O cadastro é permitido nos casos da doença controlada, com ausência de convulsões no último ano.

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
O cadastro é permitido em casos de doenças sexualmente transmissíveis, como Herpes, HPV, Clamídia e Sífilis.

DIABETES
Pessoas diagnosticadas dom Diabetes deverão consultar o seu médico para analisar a atual situação clínica:
– Geralmente, diabetes bem controlada, seja por dieta ou medicamento, será permitido o cadastro.

– Nos casos de Diabetes em que é necessário o uso de insulina ou outra medicação injetável para tratar a própria doença ou doenças renais, cardíacas, do nervo ou dos olhos (relacionadas com a Diabetes), o cadastro não será permitido.

Principais causas de inaptidão para a doação de sangue

  • Doenças: candidatos com história de doenças hematológicas, cardíacas, renais, pulmonares, hepáticas, autoimunes, diabetes, hipertireoidismo, hanseníase, tuberculose, câncer, sangramentos anormais, convulsões, ou portadores de doenças infecciosas cuja transmissibilidade através de transfusão sanguínea seja conhecida como Doença de Chagas, Hepatite, AIDS, Sífilis. Estados gripais ou alérgicos contra indicam a doação.

Doenças do aparelho osteomuscular (ossos) e reumáticas

Abaixo, algumas doenças mais frequentes e seus tempos de liberação. Além destas, outras doenças poderão impedir temporária ou definitivamente a doação de sangue.

Doenças mais frequentes Tempo de liberação
 Artrite Psoriática  Inaptidão definitiva.
 Artrite Reumatóide  Inaptidão definitiva.
 Artropatias Infecciosas  Apto após 1 ano da cura.
 Artropatias Inflamatórias  Apto no caso de artrose ou postraumática após controle dos sintomas.
 Artrose  Apto.
 Contusão Muscular  Apto após alta médica.
 Derrame Articular  Apto após a cura. Será avaliada a causa.
 Doença de Behçet  Inaptidão definitiva.
 Doença de Wegener  Inaptidão definitiva.
 Entorse articular  Apto após alta médica.
 Esclerodermia  Inaptidão definitiva.
 Espondilite anquilosante  Inaptidão definitiva.
 Febre reumática  Inaptidão definitiva se com sequela. Sem sequela, apto dois anos após a cura.
 Fratura sem cirurgia (gesso)  Apto após 15 dias.
 Gota  Apto se assintomático.
 Lesão muscular traumática  Apto após alta médica.
 Lupus eritematoso sistêmico  Inaptidão definitiva.
 Malformação óssea Congênita  Apto.
 Miopatias  Inaptidão definitiva.
 Miosite Inaptidão definitiva.
 Osteomielite aguda  Apto dois meses após a cura.
 Osteomielite crônica  Inaptidão definitiva.
 Osteoporose   Primária: apto. Secundária: será avaliada doença de base.
 Poliomiosite   Inaptidão definitiva.
 Sarcoidose  Inaptidão definitiva.
 Tendinites  Apto após alta médica. Secundária: será avaliada doença de base.


Medicamentos:
cada medicamento deve ser avaliado individualmente, principalmente pela indicação de seu uso, o que pode excluir o doador, a critério médico. (Todos imunossupressores impedem a doação)

  • Imunização: cada vacina deve ser avaliada individualmente.
  • Intervalo de doação: o intervalo mínimo entre cada doação deverá ser de 90 dias para a mulher e 60 dias para o homem, desde que num período de um ano se façam no máximo quatro doações para o homem e três para a mulher.
  • Gestação e puerpério: são excluídas as gestantes, as puérperas até 3 meses após o parto e as mulheres que amamentam.
  • Abortamento: são excluídas as candidatas com história de abortamento há menos de 3 meses.
  • Profissão: não são aceitos como candidatos à doação pessoas que NÃO tenham repousado após exercerem trabalho noturno, pessoas que exerçam profissões de risco físico e que não possam interromper suas atividades por 12 horas.
  • Pressão arterial: são excluídos os candidatos com PA máxima acima de 180mmHg ou abaixo de 100mmHg e PA mínima acima de 100mmHg.
  • História de hemoterapia: são excluídos os candidatos que receberam sangue, componentes ou derivados nos 12 meses anteriores à doação, em virtude do risco de transmitirem doenças infecciosas. Idem para transplantes.
  • Malária: são excluídos como doadores os candidatos que nos últimos 12 meses estiveram em área endêmica e que nos últimos 3 anos tiveram Malária. São excluídos definitivamente os doadores que tiveram febre quartã (Plasmodium malarie).
  • Álcool: quaisquer sinais de intoxicação pelo álcool ou história de alcoolismo crônico excluem o candidato. Ingestão de álcool há menos de 12 horas também impede a doação.
  • Perda de peso: perda acima de 10% do peso nos últimos 3 meses.
  • Cirurgias: rejeição por 6 meses a 1 ano para grandes cirurgias, 3 meses para pequenas cirurgias e 72 horas para extração dentária ou manipulação dentária.

Fonte: HCor, HemoMinasINCA

Sejam bem vindos!