Com diagnóstico tardio espondilite causa deformidades em pacientes

0
1704

Com diagnóstico tardio espondilite causa deformidades em pacientes, diagnóstico da doença demora em média sete anos para acontecer por desconhecimento dos sintomas

Com diagnóstico tardio espondilite causa deformidades em pacientes, a dor nas costas é a maior causa de invalidez em todo mundo e afeta oito em cada dez pessoas em alguma fase de vida. São muitas as razões que podem levar a dor nessa região, por isso, o diagnóstico correto nem sempre é tarefa fácil. No entanto, é preciso ficar atento, pois a dor nas costas pode ser o sintoma de uma doença mais grave, podendo levar a uma deformidade da coluna, como é o caso da espondilite anquilosante.

Cerca de 70% dos pacientes que tem espondilite anquilosante (EA) podem evoluir para um quadro de fusão de vértebra, sendo que 40% destes terão uma fusão completa da coluna3. “O que acontece na espondilite é a calcificação e ossificação das estruturas da coluna, conhecido como anquilose, fazendo com que ela fique rígida e encurvada”, explica a Dra. Carla Gonçalves Schahin Saad, reumatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo. Esse quadro faz com que o paciente sinta dores muito fortes, tenha restrição de mobilidade, principalmente do quadril, coluna lombar e pescoço, rigidez matinal. Quanto pior o grau da anquilose, mais difícil é realizar movimentos simples do dia a dia, como dobrar o corpo para frente ou virar o pescoço.

FB_IMG_1462825406158
Sociedade Paraense de Reumatologia

Com diagnóstico tardio espondilite causa deformidades em pacientes

Um paciente com EA pode demorar em média oito anos para ter o diagnóstico, principalmente por desconhecimento dos sintomas. “Dor nas costas é um sintoma muito comum, por isso, muitas vezes o paciente não procura o médico. Entretanto, depois que o dano foi estabelecido, não é possível reverter o quadro, e por isso o diagnóstico precoce é muito importante para evitar a progressão radiográfica da doença”, explica a médica. Segundo a Dra. Saad, 100% dos pacientes diagnosticados com Espondilite Anquilosante após sete anos sem tratamento terão comprometimento da articulação sacroilíaca, que é uma das articulações responsáveis pelo movimento de caminhar.

Ainda não há cura para a espondilite anquilosante, no entanto com o tratamento adequado, mudança de estilo de vida, prática de exercícios físicos e fisioterapia, o paciente poderá levar uma vida normal, sem dores e sem limitação. O tratamento é feito com terapias para alívio da dor e anti-inflamatórios. Os medicamentos biológicos são indicados para pacientes que não apresentam boa resposta ao tratamento convencional.

Sobre a Espondilite Anquilosante

A espondilite anquilosante é uma doença reumatológica crônica que causa inflamação na coluna vertebral e nas articulações que ligam o final da coluna aos ossos da bacia, afetando principalmente os quadris e ombro e nos casos mais graves deixando o paciente com o aspecto curvado. O principal sintoma da espondilite anquilosante é uma dor lombar persistente, por mais de três meses. Pode começar com uma simples dor nas costas ou nas nádegas e evoluir, chegando a causar dificuldades para a pessoa se movimentar.

O que preciso que saiba sobre espondilite

Os homens têm três vezes mais chances de desenvolver a EA e de forma mais grave, especialmente entre os 15 e 40 anos, afetando diretamente a qualidade de vida em idade produtiva. O fator genético pode explicar a maior prevalência entre os homens, porém, a espondilite anquilosante não tem causa conhecida. Como não há cura para a doença, quanto mais cedo for diagnosticada, menor será sua progressão e melhor será a qualidade de vida do paciente.

Referências:

 

  1. Monash Univertity. Low back pain world’s highest contributor to disability.Disponível emhttp://www.monash.edu.au/news/show/low-back-pain-worlds-highest-contributor-to-disability Último acesso em março de 2016.
  2. MedlinePlus – National Institutes of Health (NIH). Back Pain. Disponível emhttp://www.nlm.nih.gov/medlineplus/backpain.html. Último acesso em março de 2016.
  3. Lories RJ, Haroon N. Bone formation in axial spondyloarthritis. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2014 Oct;28(5):765-77.
  4. Louie GH, Ward MM. Measurement and treatment of radiographic progression in ankylosing spondylitis: lessons learned from observational studies and clinical trials. Curr Opin Rheumatol. 2014 Mar;26(2):145-50.
  5. Wendling D, Claudepierre P. New bone formation in axial spondyloarthritis. Joint Bone Spine. 2013 Oct;80(5):454-8.
  6. Poddubnyy D, Sieper J. Radiographic progression in ankylosing spondylitis/axial spondyloarthritis: how fast and how clinically meaningful? Curr Opin Rheumatol. 2012 Jul;24(4):363-9.
  7. Reed MD et al. Ankylosing spondylitis: an Australian experience. Intern Med J 2008;38:321–27.
  8. MedlinePlus – National Institutes of Health (NIH). Ankylosing Spondylitis. Disponível em https://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ankylosingspondylitis.html. Último acesso emmaio de 2016.
  9. Dougados M, Baeten D. Spondyloarthritis. Lancet. 2011 Jun 18;377(9783):2127-37.
  10. Mohammad Ghasemi-rad et al.  Ankylosing spondylitis: A state of the art factual backbone. World J Radiol. 2015 Sep 28; 7(9): 236–252.
  11. J Sieper et al. Ankylosing spondylitis: an overview. Ann Rheum Dis 2002;61(Suppl III):iii8–iii18
  12. Feldtkeller E. Age at disease onset and delayed diagnosis of spondyloarthropathies. Z Rheumatol 1999;58:21–30.
  13. Ward MM. Quality of life in patients with ankylosing spondylitis. Rheum Dis Clin North Am 24:815–827.
  14. Bostan EE et al. Functional disability and quality of life in patients with ankylosing spondylitis. Rheumatol Int 23:121–126
  15. Raychaudhuri SP, Deodhar A. The classification and diagnostic criteria of ankylosing spondylitis. J Autoimmun. 2014 Feb-Mar;48-49:128-33.

 

Bárbara Toledo

 

S2Publicom (agência externa)

Sejam bem vindos!