Ter Espondilite não foi uma questão de escolha

alt=

Ter Espondilite não foi uma questão de escolhaTodos nós fazemos escolhas que influenciam nossas vidas, nossa saúde e nossas relações com os outros.

Ter Espondilite não foi uma questão de escolha

Às vezes, nossas opções acabam sendo benéficas; Às vezes não. Por exemplo: Meus médicos prescrevem remédios para mim, mas é minha escolha seguir suas orientações ou não e essa escolha influenciará positivamente ou negativamente o prognóstico para minha vida e convivência com a espondilite anquilosante, mas eu sigo essas orientações porque é para o meu bem. Eu escolho educar-me sobre minha condição e medicações.

Ter Espondilite não foi uma questão de escolha, as pessoas tendem a acreditar que tudo pode ser unilateralmente controlado por suas escolhas. Eles tendem a confundir a habilidade de tomar decisões de auto-cuidado com a capacidade de decidir para superar todos os obstáculos e desafios colocados em sua vida pela sua condição. Eles estão dando a entender que se uma pessoa com doença crônica ou deficiência não está melhorando por que não está fazendo o suficiente para superar seu estado. Isso é uma maneira fácil de negar a existência e a validade de quaisquer limitações que uma pessoa com deficiência ou doença crônica pode ter.

A negação é um dos cinco estágios do luto no conhecido modelo Kübler-Ross. É algo que muitas pessoas com doenças crônicas têm experimentado, e comigo não foi diferente.

Ter Espondilite não foi uma questão de escolha: Quando eu fiquei doente, passei por todos esses estágios: eu neguei e minha condição, eu tentei ignorar completamente a gravidade da minha condição. No entanto, como eu descobri da maneira mais difícil, negando que algo é real não fazer isso ir embora. Quando eu fingia que não estava doente e me forcei a fazer mais do que deveria ter feito, fiquei mais doente. Não havia nenhum outro resultado possível, porque eu realmente estava doente, e nenhuma negação poderia mudar os processos bioquímicos que acontecem no meu corpo que fazia-me estar “doente”.

Ter Espondilite não foi uma questão de escolha

Atribuir uma doença, dor ao estado emocional é fazer-nos acreditar que nossa condição é exclusivamente nossa culpa, e isso só tornará pior nosso estado, nossa condição pode ser influenciada por nosso estado emocional mas isso não é determinante.

Você pode lutar tão duro quanto possível e ter pensamentos positivos  (lei da atração (the secret)) mas você ainda assim tem uma doença crônica incurável que impede sua capacidade de fazer tudo o que você quer fazer. Você pode ser incrivelmente motivado para ter sucesso em seu campo profissional escolhido e ainda encontrar-se doente, lembre-se mesmo as pessoas mais realizadas, financeiramente profissionalmente ou afetivamente pode ter nossa mesma doença. A sua doença não é por sua culpa. Não é por falta de fé, de espiritualidade.

“É tudo uma questão de escolha?” Na realidade, somos mais fortes do que jamais podiam imaginar. Muitos de nós andamos numa corda bamba todos os dias, superar cada dia, cada dor é quase humanamente impossível para seres humanos comuns e nós superamos cada dia, podemos ir para cama, ficar inativo muito tempo, mas como fênix renascemos de cada tombo.

Vou dizer alto e claro: Eu não escolhi ficar doente. Eu não posso milagrosamente escolher viver a mesma vida que eu tinha antes. A única escolha disponível para mim é se eu vou lutar contra essa doença da melhor maneira possível, com os melhores recursos que eu possa acessar ou se vou desistir.”

Quando eu menciono que eu simplesmente não sou capaz de fazer algumas coisas, eu estou dizendo que eu sei as limitações do meu corpo neste momento. Não é uma questão de não querer fazer, ou deixar de acreditar em mim. Isso não significa que eu não quero desfrutar da minha vida o máximo possível e atingir todo o meu potencial. Isso não significa que eu não tenho metas. Isso não significa que eu não vou procurar soluções para os problemas. Isso significa que eu preciso gastar uma boa quantidade de tempo me concentrando na minha saúde.

Aqueles que mencionam à doença crónica com banalidades vazias sobre a “escolha” precisa perceber uma coisa: as escolhas são realmente nossas? Essas atitudes só estão tentando convencer-nos de que as batalhas que enfrentamos não são reais ou significativas. Eles estão escolhendo não considerar o que nossas doenças, deficiências ou distúrbios realmente significam para nós em nossas vidas diárias.

Comentários

Comentários

Sejam bem vindos!