Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos

0
159

Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhosAnos depois de Parages ter sido diagnosticado com espondilite anquilosante e um tumor maligno, ele atravessou o Estreito de Gibraltar duas vezes, entre muitas outras realizações.

Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos

Quando Jacobo Parages tinha 28 anos, ele foi diagnosticado com Espondilite Anquilosante (EA) e, posteriormente, em outubro de 2013, um tumor maligno. Agora, 20 anos depois, “quando olho para trás, entendo que essas doenças foram o motor da minha vida para ser mais completo do que eu pensaria”.

A EA é uma doença reumatológica crônica, muito dolorosa, que produz o endurecimento gradual das articulações. “Doença com que, a partir desse momento, tive que aprender a viver, decidi avançar, aprender a viver com dor e não desistir de viver meu caminho e cumprir meus sonhos”, diz Jacobo. Sair da cama ou ir à cozinha para um copo de água tornou-se pequenas batalhas diárias contra a dor. Ele não parou de trabalhar. Ele não parou de dirigir. Ele não parou de viajar. Ele não parou de nadar. A dor não foi nem é uma barreira para cumprir seus sonhos.

alt="Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos"
Jacobo Parages, foto reprodução Diário de Jerez – Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos

“VOCÊ TEM QUE ACORDAR E SONHAR GRANDE; MINHA HISTÓRIA COMEÇA COM O MEU GRANDE DESAFIO”

Depois de um tempo de diagnóstico começou com uma terapia biológica para espondilite anquilosante. “Confio nas injeções que uso todas as semanas e que me ajudam a controlar a dor, o que melhorou imensamente minha qualidade de vida, o que me fez enfrentar desafios maiores, me permitiu continuar sonhando e me deu o oportunidade de lutar por esses sonhos”.

Em junho de 2013, após dois anos de treinamento, ele atravessou o Estreito de Gibraltar. No mesmo inverno, ele foi operado por causa de um tumor maligno e 9 meses depois, nadou os 40 quilômetros que separam Mallorca de Menorca. Não paro. No verão de 2015, ele voltou para o Estreito e, em janeiro de 2016, ganhou duas medalhas de ouro no campeonato espanhol Master in pool.

alt="Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos"
Estreito de Gibraltar 40 km – Eu aprendi viver com dor e não desistir dos sonhos

Durante esses anos, apesar dos sintomas e dores, permitiu-me sonhar e lutar por esses sonhos“. Isso também me dá a oportunidade de compartilhar minha história pessoal através de conferências, oficinas de motivação e melhoria, realização de objetivos e aulas em diferentes escolas de negócios e universidades “, descreve Jacobo.

Na próxima sexta-feira, 16 de fevereiro, Parages estará em Jerez para dar uma palestra em González Byass sobre a “Atitude e realização de objetivos“. “Eu quero dar-lhe as chaves para enfrentar seus próprios desafios, porque eles podem ser alcançados, e é por isso que dou o meu testemunho … A história nasce da dor, mas começa com o meu grande desafio e começa com sucesso”, diz Jacobo. Nesses anos, viajando pela Espanha com suas palestras, surpreendeu que “há muitas pessoas que não têm sonhos ou objetivos claros, mas estão lá, eles precisam ser promovidos“. “Nós temos que enfrentar o medo, algo que todos os seres humanos compartilham, vejo que tem muito medo de apostar em quem você realmente quer ser, você tem que despertar as pessoas e sonhar muito“, ele observa.

Eu não quero ser treinador, o que eu faço é dar meu testemunho, valorizo ​​minha própria experiência, mas não de maneira acadêmica”, diz ele. Além disso, coloca em valor que “desde que estou nisso, não paro de receber mensagens muito emocionantes, pessoas que começaram a acreditar em si mesmas”.

Em Jerez, eles vão ver uma pessoa que conseguiu alcançar seus sonhos com a adversidade”, diz Jacobo, que também assinará cópias de seu livro O que eu aprendi com a dor”. Deve-se notar que parte dos benefícios irão para a Fundación Unoentrecienmil, que está focada na obtenção de bolsas de pesquisa para câncer infantil.

Eu acho que o ser humano não tem consciência de que quase não temos limites, não há nada que não possamos alcançar com esforço e dedicação, qualquer que seja a nossa dificuldade que possa ser transformada e transformada em uma oportunidade para superar“, observa Jacobo. Hoje ele ainda está trabalhando, dirigindo, viajando e nunca parou de nadar.

Fonte: Diário de Jerez

Comentários

Comentários

Sejam bem vindos!