Espondilite Anquilosante e direção de veículos

0
1052

Espondilite Anquilosante e direção de veículos

O paciente que convive com espondilite anquilosante, pode conduzir veículos, conforme sua condição de saúde lhe permitir, tem pessoas que conseguem conduzir veículos sem adaptações, outros necessitam de veículos adaptados, lembrando que pessoas com doenças reumáticas, têm direito de comprar veículos com isenção de impostos. Para que a condução de um veículo seja algo seguro e não seja agravante da dor, é preciso seguir algumas recomendações;

Se tiver de dirigir durante muito tempo, é importante parar por cerca de 5 minutos e sair do carro para espreguiçar. A dor e rigidez podem distrair sua atenção, a qual é vital para sua segurança.

Veja como regular
Ergonomia e direção

Muitos pacientes com rigidez do pescoço e de 22 outras partes da coluna têm dificuldades em estacionar em marcha-ré, seja em vagas comuns ou garagens. É possível utilizar ou adaptar espelhos especiais para auxiliar o motorista. É importante que se pratique, utilizando a nova técnica, em uma grande área aberta com alguns obstáculos leves de madeira, os quais funcionariam como marcadores (um pedaço de cabo de vassoura fixado no solo pode ser útil para este propósito).

Apoios para a cabeça são aconselháveis para impedir lesões no pescoço devido à desaceleração repentina. O pescoço enrijecido de um paciente com espondilite anquilosante é lesionado mais facilmente do que um pescoço normal.

Um emblema de motorista deficiente pode ser apropriado se o paciente precisar andar numa velocidade menor que a indicada para via.

A pessoa com espondilite anquilosante pode solicitar um cartão de estacionamento em Vaga para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, este cartão permite estacionar em vias públicas, em vagas especiais, demarcadas com o Símbolo internacional de Acesso – para pessoas com deficiência de mobilidade. Este cartão é concedido pelo departamento de operações do serviço viário municipal de cada cidade, conhecidos como DSV, ou também (Ciretran ou Detran).

Para ter acesso ao cartão de estacionamento é necessário solicitar ao médico reumatologista, um relatório completo e detalhado citando a doença, suas limitações e CID. Com o relatório médico em mãos, junte os documentos pessoais e compareça a unidade de departamento de trânsito da sua cidade, para dar entrada na solicitação do seu cartão de estacionamento PCD (Defis-DSV).

Fonte: Adaptação da cartilha da SBR para EA

 

Sejam bem vindos!