Depoimento EA – Thiago Surian – Deus e as Enfermidades

0
714

Quem sou eu? Autodefinição de Thiago Surian em seu blog

Seminarista do Seminário Luterano Concórdia. Publicitário. Metido em trabalhos com tribos urbanas desde 1998 e capelania evangélica hospitalar desde 2006. Teimoso em sempre diferenciar Lei e Evangelho nas leituras bíblicas e nas relações cotidianas, obcecado por heavy metal, principalmente metal extremo (Doom, Black, Death) e a vertente gótica. Iniciador e participante de trabalhos cristãos e seculares de social media, como “Calvino da Depressão”, “Lutero da Depressão”, “Cristãos Protestantes”, “Os Pedreiros”, “Kairos” e “Vida Paulistana” e outros.

Um cara 100% Pecador, Culpado de tudo quanto é pecado o tempo todo, cheio de contradições, exageros e muitos defeitos, devido à minha infinita capacidade própria de fazer besteira. E um cara 100% Justificado, ou seja, Inocente de ser pecador porque o Deus Santo se encarnou e mostrou a imagem de Deus perdida no Paraíso e me inocentando de uma vez por todas de todas besteiras que faço, me justificou e me santifica diariamente o tempo todo, por isso estou sempre atento para melhorar meus pensamentos, palavras e atitudes com Liberdade na fé no único e verdadeiro Deus, ou seja, o Deus encarnado, Jesus Cristo, no Deus Pai e no Deus Espírito Santo. Thiago Surian. 

O texto a seguir é a junção de dois textos publicados em seu blog um de 2012 quando morava em São Paulo e trabalhava em uma multinacional e o outro uma reflexão cristã sobre EA e outras doenças, e foram autorizados sua reprodução pelo autor.

Tenho meus receios e preocupações sobre possíveis reações e comentários sobre o que escrevo, que provavelmente serão na linha de que tenho frescura e invento ou exagero meus sintoma, ou aquelas porcarias motivacionais. Ah! Dane-se. Ando meio deprimido pelo rumo que as coisas estão tomando em minha saúde ultimamente, então vou desabafar aqui e talvez isso me faça bem, talvez consiga alguma ajuda, ou talvez minhas experiências positivas nessa luta ajudem outras pessoas, não vou pensar tanto em resultados, em “impressionar”, mas em “expressar”. Por isso não vou seguir regras acadêmica/jornalística/publicitária. Vou apenas escrever o que me der na telha.

Eu odeio ficar inutilizado, não pedi para ter espondilite, mas todo médico que eu passo parece que parte do princípio que sou vagabundo e gosto de ficar em casa. Já vou contando com a resposta de “não posso fazer isso”, ou “é responsabilidade do médico do trabalho”, ou “é o perito do INSS que decide isso”, ou algo parecido. É uma batalha sempre cruel pegar atestado e laudo. Só não é pior que passar no INSS. Essas épocas de atestados, laudos, perícias, é sempre a época que fico mais revoltado e deprimido e minha vontade é sumir do mundo. No INSS, existe um teto para pagamento que é abaixo do meu salário, além do fato de que o pagamento é calculado com base em todos os seu salários desde 1994. Eu comecei a trabalhar como Office Boy, em 1998, fiquei registrado nessa função na farmácia onde trabalhei de 2001 a 2006, mesmo exercendo outras funções também, ou seja, a maior parte do meu benefício é calculada com base no meu pagamento nessa época, não no trabalho atual, ou nos meus recentes. Então não existe LÓGICA (pelo amor de Deus!!!) que eu queira ganhar essa mer.. de benefício do INSS. Eu sempre estou escrevendo, seja no blog www.thiagosurian.wordpress.com, seja nas redes sociais, seja no celular, seja em qualquer lugar. Sempre gosto de participar de eventos, de estar junto de pessoas queridas, EU NÃO SOU VAGABUNDO. Eu gosto de estar em atividade. Para mim, o ditado “o trabalho dignifica o homem” é algo que vivo intensamente. Adoro trabalhar, seja em atividades oficiais, seja em atividades extra-oficiais. Oficialmente, também não tenho o que me queixar. Gosto do tipo de atividade que desenvolvo no meu trabalho. Meus colegas se mostram gentis e cordiais, além de muito participativos, comigo o tempo todo. Meus chefes são assim também. Eu gostaria muito de acordar cedo, sem dor, sem rigidez, com o organismo funcionando normalmente, pegar o fretado, ser um dos primeiros a chegar, resolver as coisas da manhã que estou sentindo falta, resolver tudo e me sentir útil. Estava adorando meu trabalho. Não queria me afastar. Porém não estou aguentando. De verdade. Acordar de manhã é uma tortura. Não consigo dormir sem a combinação de Dormonid, anti-inflamatório e algum analgésico potente. Durante o dia, também preciso desses remédios, ou fico travado, sem conseguir me mexer direito, sem conseguir andar e não gosto de andar de bengala, tenho muito vergonha (não é vergonha, eu sei, mas eu tenho. Me processe!!). E esses remédios me detonam na atenção, me deixam com um sono que chega a ser pior que a dor que sentindo (só é pior porque sentir sono sentindo dor é a pior coisa do mundo). Não dá mesmo para mim, neste momento, trabalhar. Não vou conseguir cumprir horários. E tem dias que não consigo levantar da cama pra nada.. Não dá! Sei lá, queria mais compreensão por parte dos médicos que me consulto. Minha impressão é que pensam isso de mim, que sou um moleque vagabundo querendo viver às custas de “favores” do INSS e não quer trabalhar. É claro que jamais diriam isso para mim, mas da maneira que se comportam, é essa a mensagem que transmitem.. Pô, os caras estudaram, sabem melhor que eu sobre espondilite anquilosante, sabem como é limitante essa maldita doença, mas tratam como se fosse uma “gripe” ou um “resfriado”. Eu queria só um pouco mais de compreensão e orientação. Poxa, fica 2 meses afastado e nesse meio tempo faça isso. Ou, então, cara, não vai dar mais, se aposente. Ou então me acompanharem e dizerem que tenho que mudar de profissão, ou que isso tudo é passageiro e vai melhorar, ou que vou morrer, ou que vou virar zumbi e estrelar o próximo “Silent Hill”, sei lá, falassem alguma coisa.. É dose..

FB_IMG_1462328081960
Thiago Surian

Esse segundo texto é  uma reflexão cristã feita sobre EA e outras doenças, e vale para todos nós, cristão ou não. Vale resaltar que atualmente Thiago está em remissão e muito bem.

Deus e as Enfermidades

Muitos dizem que o cristão não pode ficar doente, porque Jesus cura todas as enfermidades de todas as pessoas, segundo eles. A base para essa ideia geralmente é Isaías 53.4: Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. (ARA) Se você entender o que a Bíblia ensina sobre o pecado original e a natureza humana e suas duas características (caída carnalmente e regenerada espiritualmente), vai entender o porque Isaías fala de cura se referindo a Jesus curando nossa natureza caída e pecaminosa, não a curas físicas. Nessa passagem, Isaías aponta Cristo como sendo Criador e tendo poder sobre nossa natureza humana, que Ele pode reverter nossa condição humana de separados de Deus e provou isso curando muitas pessoas milagrosamente, tomando sobre Ele, que Ele nos entende porque Ele se humanou e tomou sobre si as nossas fraquezas humanas resultantes do pecador original, mesmo Ele sendo puro e sem pecado algum, sendo o próprio Criador. Este verso não pode ser tomado isoladamente para pretexte de uma falsa esperança que Deus vá curar todas as enfermidades de todos aqui na Terra, se você ler o contexto, vai ver que o assunto de Isaías não é cura de doenças físicas, mas o perdão dos pecados. As curas físicas foram para mostrar que Jesus é o Filho de Deus, Criador de todas as coisas, e que Ele pode cuidar de nós. Ele pode nos curar, mas pode não nos curar aqui na Terra também. nós ainda estamos sob o pecado original e ainda temos uma carne fraca e frágil, que adoece e morre. Não há esperança para uma vida sem males físicos aqui na Terra, Jesus ofereceu uma paz muito diferente da que o mundo dá.

Na Bíblia temos diversos casos de cristãos sinceros que eram enfermos, como Paulo, que era quase cego (Gal 4. 14-16), e também tinha um espinho na carne (2 Cor 12:7), fala também de Epafrodito que esteve muito doente (Fil 2:25-28), também de Timóteo doente (1 Tim. 5.23), enfim, Jesus não curou esses discípulos dele, assim como deixou de curar a muitos em Israel, Ele curou conforme a soberania dEle, como a sogra de Pedro, os leprosos, a mulher do fluxo de sangue tantos outros que foram curados para que a profecia de Jesus levar nossas enfermidades e ser consagrado como tendo o poder sobre toda a carne se cumprir e assim termos a certeza que Ele é o Deus criador e todo poderoso sobre toda carne e todas as coisas. Tenho certeza que você foi acometido já de enfermidades também, e Jesus não evitou ou curou milagrosamente todas as suas enfermidades, mas você teve que tomar remédios, procurar médico, etc. Conheço muitos cristãos sinceros com deficiência física e até mesmo mental, eu mesmo tenho uma deficiência física. E nem por isso somos sem fé ou menos cristãos por termos enfermidade. Quando Isaías fala de cura, ele se refere à nossa natureza humana doente. No versículo 4 ele diz da carnal, que dentro do contexto do capítulo 53 inteiro se refere à salvação, não a cura de todas as doenças na Terra, ou seja, na RESSURREIÇÃO seremos sarados e não teremos mais enfermidades (Apocalipse 21:4), e aqui na Terra, para mostrar que Jesus tem poder sobre a carne também, Ele curou a muitos, mas não curou a todos. O restante do capítulo 53 de Isaías só fala sobre salvação e se refere também à cura espiritual, ou seja, com o pecado original ficamos doentes em carne e em espírito. Segundo explica João na sua primeira carta, o Espírito trabalha primeiro no nosso espírito, a primeira cura que recebemos é espiritual, aqui na terra temos muitas aflições físicas e mentais para sofrer, então, na Ressurreição, teremos a cura física, quando a nossa natureza carnal for transformada. Diante dessa realidade e promessa de Deus para a nossa eternidade, nossas questões carnais, físicas e mundanas são menores. Para nós pode ser muito importante e Deus se importa conosco e nos oferece ajuda diante das nossas aflições mas diante da realidade das promessas mais excelentes de Deus e da eternidade, são bobagens, coisas menores, mas para nós é importante e não só podemos, como devemos pedir ajuda a Deus nessas questões, mas Ele pode responder com um claro e sonoro NÃO, afinal, Ele é soberano, é Deus e todos vamos adoecer e/ou morrer, querendo ou não, somos frágeis e só na ressurreição nossa natureza carnal e corruptível será revestida da imortalidade e incorruptibilidade, aqui somos passíveis de doenças, dores, sofrimentos e inúmeras aflições, como prometeu Jesus que teríamos, mas também nos disse para ter bom ânimo, porém as aflições são certas, como o Novo Testamento mostra que Ele fez com os citados acima que tiveram doenças e muitos outros, e mesmo assim nosso amor por Ele deve permanecer firme, porque a promessa de restauração total vai se concretizar na Nova Jerusalém..

Eu falo essas coisas não só por conhecimento teórico, pois fui capelão num hospital em São Paulo, convivi com pessoas doentes por anos, e eu mesmo sou doente, tenho um problema físico, uma doença degenerativa bem complicada chamada Espondilite Anquilosante. Eu fazia parte de uma religião, entre 1997 e 2004, em 2000 os sintomas apareceram com mais agressividade, mas só em 2001 recebi o diagnóstico correto, então fiz de tudo para ser curado, orei, fiz vigílias, chorei, dei todo meu salário na igreja, fiz campanhas e nunca era curado, e ao questionar o porque não era curado diziam que eu não tinha fé. Aquilo era cruel, desumano, eu abria mão de tudo por acreditar no que prometiam, que eu seria curado, e ainda diziam que eu não tinha fé? Durante a tentativa de confirmar o diagnóstico, eu fiquei com suspeita de ter Leucemia, então eu entrei em desespero e cheguei a ficar 5 dias sem comer nada, passando muito mal de fome, para conseguir a cura através do jejum.. E nada. Aí me disseram novamente que eu não tinha fé.. Então passei a negar a fé de vez, fiquei com a cabeça cheia de dúvidas e convencido que nada que eu fizesse teria valor diante de Deus (as falsas religiões do mundo ensinam que você tem que fazer boas obras para ter valor diante de Deus, a Bíblia ensina que o valor que Deus nos dá não é por nossas obras, mas é pela obra de Cristo, e ganhamos valor diante de Deus quando Cristo nos coloca esse valor, e Ele faz isso quando cremos que Ele é o filho de Deus, o Messias que veio nos religar com Deus, não um guru que responde perguntas e cura nossas doenças, como dizem as falsas religiões sobre Jesus, o colocando como um mero “resolvedor de problemas”, não o Deus encarnado que nos ama incondicionalmente, mesmo que estejamos cheios de problemas, por isso eu fiquei na época, tão confuso e revoltado), rasguei minha Bíblia, na época, xinguei Deus de tudo quanto é palavra que me veio na cabeça e fui me matar. Me joguei na frente de ônibus, de carro, tentei de outras formas e nada. Queria alívio pro meu sofrimento e já que Deus me odiava, que era o óbvio a se concluir depois de obedecer tudo que me fizeram acreditar e ainda ter minha “fé” rejeitada daquela forma, então que eu fosse para o inferno de vez e Deus que me deixasse em paz e me largasse de vez!! Era o que eu pensava na época.
Mas Deus foi amoroso comigo, me livrou da morte, o diagnóstico de Leucemia não se confirmou (e mesmo se tivesse se confirmado, Deus não teria me abandonado ou me amado menos. Hoje talvez eu estaria com Ele lá no Céu, não mudaria nada o amor que Ele te por mim), eu não consegui me matar, Deus me perdoou por tê-lo ofendido, me acolheu no meu momento de confusão e de dúvida, porém até hoje estou com essa doença degenerativa, não fui curado até hoje e, se não for nunca curado, que seja, o mais importante é que ganhei a salvação de um inferno eterno desse Deus que me amou. Anos depois, fui atropelado duas vezes, numa delas meu crânio rachou e isso comprometeu na hora o meu cérebro. Depois de dias em coma, a certeza era que eu não voltaria mais a ser o mesmo, teria problemas motores e mentais. Deus mais uma vez foi gracioso e não tive essas sequelas, fiquei recuperado.. Deus me curou.. Mas a minha doença degenerativa Ele não curou.
Mesmo com esses testemunhos de graça e misericórdia comigo, Deus me deixou com uma doença grave e vou continuar amando ao Deus que me amou primeiro diga Ele Sim ou NÃO às minhas preces.. Quando vou em quarto de pacientes, eu vejo pessoas nos mais variados estados de saúde. Teve vezes que eu tive que sair para chorar, de tanta pena que sinto dessas pessoas. Se essas promessas de Jesus fossem sobre curas físicas, eu falaria delas para os pacientes quando fui capelão, eu sairia curando as pessoas no hospital, ou veria isso acontecer com frequência. Por que isso não acontece? Por que vejo tantos cristãos sinceros doentes e até morrendo em enfermidades no hospital?? Se essa promessa é sobre cura física, então Deus mentiu, porque não posso curar as pessoas no hospital, não vemos isso acontecer, o que vemos é que todos os filhos dele que O amam adoecem e morrem, isso é inevitável.
Acredito que Deus cura sim, que ele tem poder sobre toda a carne, é o que a Bíblia ensina. Mas a promessa dele de cura de todos os doentes e de todas as doenças é para a ressurreição. Aqui Ele pode curar pela misericórdia em muitos casos, mas na maioria não. Todos vamos adoecer e morrer um dia, nossa carne pecaminosa é frágil e suscetível a aflições. Podemos e devemos buscar a misericórdia de Jesus, mas devemos estar preparados para receber um não como resposta e ainda assim, ainda que a figueira não florescer e a videira não der o seu fruto, nos alegrar no amor desse Deus que nos ofereceu uma Terra prometida sem dor e doenças, sem essa carne corrupta que temos agora.

 

Sejam bem vindos!