Coexistência de Lúpus (LES) e Espondiloartrite Axial

0
620

Coexistência de lúpus eritematoso sistêmico  (LES) e espondilartrite axial

Anna Luísa Marinho de Andrade, João Rodrigues de Araújo Neto, Karla Valéria Miranda de Campos, Ana Karla Guedes de Melo, Danielle Christinne Soares Egypto de Brito, Alessandra Sousa Braz C. Andrade, Eutília Andrade de Medeiros Freire
Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil

Introdução: O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune sistêmica e as espondiloartrites (EpA) englobam doenças inflamatórias que afetam primariamente a coluna, articulações sacroilíacas e periféricas. A ocorrência das duas patologias no mesmo paciente é raramente descrita.

Lúpus LES
Lúpus e Espondiloartrite

Relatos de caso: 
Caso 1: Paciente feminina, 49 anos, havia 19 anos com lombalgia inflamatória e oligoartrite de membros inferiores. HLA B27 positivo e radiografia da bacia com sacroiliíte bilateral grau II. Havia 10 anos evoluíra com fotossensibilidade, leuco/linfopenia, derrame pleural e pericárdico, fator antinuclear (FAN) 1/1.280 nuclear pontilhado grosso, anti-DNAn, anti-RNP, anti-Ro e anti-La positivos.

Caso 2: Paciente feminina, 22 anos, havia 10 anos com lombalgia inflamatória e fadiga. HLA B27 negativo e ressonância magnética (RM) com edema medular ósseo compatível com sacroiliíte bilateral. Havia quatro iniciara rash malar, alopecia, úlceras orais, leuco/linfopenia, artrite, FAN 1/1.280 nuclear pontilhado fino, C4 reduzido, anti-Ro e anticardiolipina IgM positivos.

Caso 3: Paciente feminina, 26 anos, com diagnóstico prévio de espondilite anquilosante havia cinco anos e uso de três drogas anti-TNF, persistia com dores difusas, artrite, fadiga e alopecia. HLA B27 positivo e RM com edema ósseo em articulações sacroilíacas. FAN negativo, complementos reduzidos e antinucleossomo positivo.

Caso 4: Paciente masculino, 35 anos, havia um ano com rash malar, alopecia, úlceras orais, poliartrite, leucopenia, FAN 1/1.280 nuclear pontilhado grosso e anti-RNP positivo. Evoluiu com dor persistente em quadris, havia seis meses. HLA B27 negativo e radiografia da bacia com sacroiliíte bilateral grau II.

Conclusão: A coexistência do diagnóstico de LES e EpA é rara. Essa infrequente associação é defendida por alguns autores pelo fato de o HLA B27 raramente coexistir com os haplótipos DR2 e DR3 encontrados
no LES.

Fonte: REV BRAS REUMATOL. 2016;56(SUPL 2): S1-S178

Sejam bem vindos!