Acusados de fingir invalidez para receberem sem trabalhar

0
606
alt=

Acusados de fingir invalidez para receberem sem trabalhar. Uma investigação feita pela Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina apontou supostas fraudes de ex-servidores públicos que se aposentaram por invalidez, porém nunca conseguiram provar a doença. Os peritos examinaram quase 200 laudos de servidores considerados inválidos, mas que não apontam sintomas.

Acusados de fingir invalidez para receberem sem trabalhar 

Entre os investigados está Elpídio Ardigó, que foi afastado por invalidez em 1982 com o diagnóstico de uma doença nos rins. “Não tem cura. Mas para o meu Deus, não tem nada impossível. Agora não te explico o milagre, não dá para explicar, é mistério de Deus”, afirma Elpídio. O médico Nicolau Heuko Filho contesta: “Impossível esta pessoa ter cura sem transplante, isso não existe”. Ontem, 16/10, uma reportagem exibida pelo Fantástico, da Rede Globo, gravou Elpídio com uma câmera escondida, e na conversa, o aposentado admitiu que nunca fez tratamento para a doença.

Outra aposentada, Jandira Rodrigues, que foi afastada por invalidez, também afirma que teve uma recuperação milagrosa. O médico afirma que uma pessoa portadora da doença de Jandira, Espondilite Anquilosante, não consegue caminhar normalmente e que a tendência é piorar. “O portador de espondilite com o tempo vai perdendo a flexibilidade da coluna e da bacia. Com isso, a coluna vai encurvando para a frente e ela vai chegar ao ponto de adotar a posição do esquiador, e com isso ele perde a capacidade da caminhada normal”, afirma Nicolau. Jandira se defende: “Mas eu não piorei da doença. Por que eu não piorei? Eu não posso falar. Porque o que eu tenho é uma coisa minha. É a minha fé”.

Conheça a espondilite anquilosante aqui

Os dois foram afastados do serviço público na mesma época, e agora são investigados por fraude contra a previdência. O inquérito revela que a Assembleia Legislativa de Santa Catarina é a campeã nacional de aposentadorias por invalidez. São 46% do total de pensionistas, mais que o dobro da média brasileira de inválidos no serviço público.

O presidente do Iprev (Instituto de Previdência de Santa Catarina), Adriano Zanotto defende as investigações. “Se ficar comprovado que houve fraude e má fé do beneficiário, terão uma série de consequências. A primeira delas, por parte do Iprev, vai ser cassar o benefício de aposentadoria, nós vamos parar de pagar a aposentadoria”, afirma Zanotto.

E nós portadores dessa doença sabemos o quanto é difícil ser afastados e por obre de canalhas inescrupulosos como esses as coisa tornam cada vez mais difíceis.

Sejam bem vindos!